Castelo de Paderne

Fortaleza rural da segunda metade do século XII e primeiras décadas do século XIII, paradigma da arquitectura militar de taipa em Portugal.

No pequeno recinto, de forma irregularmente trapezoidal, existiu uma alcaria envolvida por uma robusta muralha. A porta de acesso é protegida por uma torre albarrã. O espaço urbanizado, de traçado ortogonal, foi totalmente planificado de raiz, com ruas estreitas percorridas por um sistema de esgotos que conduzia as águas residuais e pluviais para o exterior da muralha. Os quarteirões são constituídos por habitações de pátio central.

Após a conquista cristã, em 1248, por D. Paio Peres Correia, os novos ocupantes adaptaram ou alteraram o modelo urbanístico inicial. No interior, entre ruínas de vivendas, duas cisternas testemunham os dois principais períodos de ocupação do castelo: o islâmico e o cristão. Junto à porta, localiza-se a arruinada Ermida de Nossa Senhora da Assunção. O êxodo da população para novo local, para a atual aldeia de Paderne, ocorreu no século XVI mas continuaram a realizar-se romarias até ao século XIX.

É um dos sete castelos representados na bandeira de Portugal.


Coordenadas: 37.156950,-8.200542